domingo, 17 de junho de 2018

Perdeu, Ladrão !

Sabe aquela vontade que tínhamos de assistir aos jogos do Brasil e que nos foi surrupiada nos últimos tempos? Ela voltou. De forma mágica e pragmática ao mesmo tempo. Como assim, véi? - alguém há de perguntar... Mágica, porque torcer pelo Brasil é um sentimento inato dos nossos irmãos. É coisa de brasileiro. De gente que nasce no Brasil, que cresce no Brasil, que se apaixona tanto pelo Brasil que até briga e dá porrada a “três por dois” em um monte de gente da terra pra reivindicar coisas que lhe são de direito. Mas não me venha alguém de fora meter o bedelho por aqui e querer falar mal do país também, como se dele fosse, que aí a gente vira bicho e mete porrada no intruso, defendendo as cores do nosso coração. É tipo família, sabe? A gente conhece bem “o eleitorado”, briga, briga e briga internamente, pra tentar corrigir o que acha de errado. Mas se vier alguém de fora e quiser falar mal dos nossos, ah... comprou uma briga feia.

Esta mágica pelo Brasil que nos apaixona, que nos emociona, também é extensiva a tantos brasileiros que adotaram a nossa terra, o nosso chão, o Pavilhão Nacional, e dele faz a sua Pátria. Uma vez – eu, ainda adolescente – ouvi isto de um “ex-gringo”, em uma discussão sobre brasilidade com um patrício: “Saiba que sou mais brasileiro que você. Porque você nasceu aqui e é brasileiro por acaso, mas eu escolhi ser brasileiro e vou defender o Brasil até o fim da minha vida!”.

Saindo do mágico e indo para o pragmático: a Seleção de hoje personifica o espírito brasileiro. A Comissão Técnica capitaneada pelo Tite é um exemplo daquilo que nós – pessoas de bem – queremos para o Brasil: vitórias conquistadas com honestidade, trabalho com transparência e satisfação de ver resultados construídos com esforço e dedicação. O time que logo mais entrará em campo é produto desta filosofia: transparência. E por isto mesmo hoje jogadores e torcedores têm orgulho de torcer pelo Brasil. Mas... Peraí. Agora não tem mais nem menos. Aos ladrões de sonhos, que um dia se fizeram de “donos” das cores da Bandeira que vão tomar bem no fundo da sua cozinha... um belo quentão pra esquentar a alma porque isto pode lhes curar certas dores. Aos ladrões de sonhos, amargos, que renegaram as cores da Bandeira como que se nada do que representa o país pudesse ser incorporado ao dia a dia de quem gosta do Brasil que vão tomar no devido buteco um copo de vinagre. Ladrões do amarelo, ladrões do verde, ladrões do azul e do branco da paz que a todos devemos nos permitir, informo: vocês perderam. Ladrões de sonhos, que hoje querem desfilar “de camisa preta igual a do goleiro”, como certo jornalista militante escreveu, “pra fugir da camisa amarela do pato”, perderam. Gente que pinta o Brasil com as suas cores, querendo confundir a Nação, colocando um movimentozinho qualquer acima de uma Nação, lamento: Você perdeu, imbecil.

Não estou aqui, hoje, pra discutir o amarelo “do ouro”, “do brazão da família Orleans e Bragança”, ou o que representa lá na China... Também não estou com paciência pra discutir com nenhum cretino fundamental (parafraseando Nelson Rodrigues) o “preto” como cor das milícias negras, de triste inspiração fascista, ou o “verde” dos integralistas. Eu só sei que o povo brasileiro hoje está com mais tesão pela seleção do que tinha nas duas ou três últimas copas.

Nestes últimos dias passei por Santa Catarina e vi, de soslaio, também no Paraná, muitas bandeiras verde-amarelas remetendo ao “futebol da Copa”. Aqui no meu bairro, em Sampa, até uma senhorinha evangélica, simpática e sempre na dela, decorou a fachada da sua papelaria com bandeirinhas verde-amarelas. Passei por vários postos de combustível, bares e restaurantes nos 700 KM que separam São Paulo e Floripa e muitossss deles decorados. Parei num desses para almoçar, na volta, assistindo ao jogo de estreia da Rússia. Nas mesas, o povo palpitava, comentando o “jogo russo”, sem provavelmente nunca ter visto um russo jogar bola na vida. E, claro, se falava do jogo de domingo do Brasil também.

Vejo algumas crianças e muitos adultos (coisa que não via há tempos) de camisa amarela, com o nome do Neymar, do Paulinho, do Coutinho... Senhores ladrões de sonhos, vocês perderam. E vão tomar nos seus devidos butecos aquilo que lhes aplaca a raiva ou a sustenta – problema de vocês, porque a raiva com as cores da camisa é sua e não minha. O problema é todinho de vocês, insisto. E vocês perderam a guerra das cores, porque hoje tem Brasil, a Seleção canarinho acima das paixões, clubísticas inclusive. Hoje eu vou torcer pelo capitão Marcelo, um jogador fino de bola e com relevância no time, porque é a partir do espírito do Marcelo que se incendiarão os demais. Que venha a Suíça, a Costa Rica, a Sérbia e quem mais tiver garrafa pra trocar. E se algum Thiago da vida chorar, que seja de felicidade. #VaiBrasil.

sexta-feira, 16 de março de 2018

A dor e o mimimi ideológico

Marielle Franco, mulher, combativa, brasileira foi arrancada desta vida de forma cruel. E tudo o que é cruel torna-se INACEITÁVEL. Assim como eu considero inaceitável o penduricalho de adjetivos que se seguem para tentar justificar a “carona” pega por alguns mimizentos ideológicos.

Marielle foi covardemente assassinada porque era uma mulher combativa. Não essencialmente porque era negra ou favelada ou, ou, ou... Na história do Brasil muitos tombaram porque eram COMBATIVOS, porque metiam o dedo na ferida, porque denunciaram ESQUEMAS PODEROSOS ligados a tudo quanto é moral, social e legalmente errado. O cemitério está cheio de brancos, de amarelos, de vermelhos, de negros e de pardos.

Anderson Gomes, brasileiro, motorista, morreu porque estava dirigindo em hora e lugar errados. Mas, peraí: QUEM é que determina onde é o lugar “errado” e a “hora inconveniente”? QUEM é que controla território e relógio? Anderson não morreu porque era negro (porque não era), porque era do Partido “X”, ou “S” (porque não era), ou porque era LGBT (porque ao que tudo indica não era também). Morreu, igualmente assassinado de forma covarde, porque pra sustentar a família fazia bicos de motorista (e, nesses últimos dias, substituía um colega a serviço da vereadora) e estava ao lado da mulher combativa. À sua maneira, Anderson estava no seu combate, o combate diário de quem precisava segurar uma família em pé. E a sua perda será tão sentida quanto a de Marielle. Se duvidar pergunte isso à mulher dele, aos familiares e aos amigos mais chegados...

No momento de doloroso constrangimento nacional, pela PERDA e A FORMA com que ocorreu a tragédia, havia juízes tentando fazer uma ruidosa manifestação contra o corte de R$ 4.900, 00 de auxílio moradia, pessoas ligadas a partidos e a grupos políticos tentando tirar uma casquinha (proveito mesmo) da tragédia nacional pra sair tb na foto. Houve até um pretenso candidato a presidente da República que disse, textualmente, não iria se manifestar “pra não polemizar”. O País, e o Rio de Janeiro com especial atenção, estão derretendo debaixo de uma violência sem sentido e... a canalhice ideológica campeando solta. Canalhas ideológicos de plantão ora pegando “uma carona” na foto porque a mulher, combativa, era do Partido “S” ou porque se declarava negra e uma série de outras bobagens, de um lado, e canalhas ideológicos, de outro, tentando minimizar um fato da maior gravidade porque a mulher, combativa, não rezava a mesma cartilha política que estes.

O crime teve característica semelhante aos ocorridos em tempos sombrios de DITADURA (que para alguns sujeitos da mídia foi “apenas uma ditabranda”), em que o valoroso jurista Hélio Bicudo denunciou o esquadrão da morte. E o que se suspeitava, à época, apenas se confirmou depois. Um grupo de militares e paramilitares mandava executar a sangue frio todos quantos o “tribunal” deles julgasse “persona non grata”. Ao lado do cardeal D. Paulo E. Arns, Hélio Bicudo prestou um dos maiores serviços à causa democrática. Ele entrou de sola na questão: à época tratava-se de brasileiros x criminosos, sem mimimi. Não se discutia se o esquadrão era de direita, treinado no novo ou no velho oeste, se cultuava Mao ou Mussolini, pois o esquadrão era brutal, assassino e anti-Brasil. Por fim, acabou.

Mariella e seu motorista Anderson foram vítimas de um crime brutal, que fere as famílias desta mulher combativa e do homem igualmente batalhador, anestesiando amigos e provocando uma reação de indignação em todas as pessoas de bem: o Rio, o Brasil e a DEMOCRACIA foram golpeados. Se você não tem amor pela vida humana, que seja pelo Rio de Janeiro. Se não está nem aí com o Rio, então que seja pelo Brasil ou pela democracia, mas é hora de indignar-se. E de reagir. A democracia, o Brasil, o Rio de Janeiro, familiares e amigos de Anderson e Mariella carregarão uma dor no peito pelo resto das suas vidas. Uma dor que não passará, mas que pode ser minimizada pela atitude solidária de cada um de nós. Sem mimimi ideológico.

sábado, 27 de janeiro de 2018

A Balança está torta

ARTIGO publicado na Pluraleemsite

http://www.plurale.com.br/site/noticias-detalhes.php?cod=15961&codSecao=2

Por Nélson Tucci, Colunista de Plurale

Não dá para brigar com os números. A Oxfam – ONG que explicita em sua missão: “Contribuir para a construção de um Brasil justo, sustentável e solidário que elimine as causas da pobreza e da desigualdade” – divulgou dados no último dia 22, publicados por Pluraleemsite, revelando que 82% de toda a riqueza gerada no mundo fo i parar nas mãos do 1% mais rico do planeta. No mesmo documento mostrou que no Brasil apenas cinco pessoas têm patrimônio equivalente ao da metade da população; ou seja, 100 milhões de pessoas precisariam juntar todas as moedinhas, tábuas das palafitas, tomadas de 3 pinos, sandálias de borracha, aparelhos celulares e outros pertences para chegar perto dos cinco bilionários brazucas. Isto por hipótese, naturalmente, mas é algo que dá bem a medida do desequilíbrio.

O mesmo relatório divulgado afirma que o patrimônio somado dos bilionários brasileiros chegou a $ 549 bilhões em 2017, num crescimento de 13% em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, os 50% mais pobres do país viram sua fatia da renda nacional ser reduzida ainda mais, caindo de 2,7% para apenas 2%.

Apenas para fazer junto com o leitor um mero exercício: o que aconteceria com o Brasil se os tais cinco bilionários iluminados que têm patrimônio equivalente à metade da população, combinassem uma partida de golfe longe do solo pátrio e transferissem toda a grana pra lá, enquanto brincassem nos buraquinhos do campo? Parece algo tão impensável que pouquíssima gente deve ter de fato conjecturado isto. Voltemos ao mundo real, pois não.

A proporção de 5 x 100.000.000 é uma relação tão perversa, que não faz sentido, seja no viés puramente humano, seja sob a ótica do mercado concorrencial de um modelo capitalista. Deixar os ricos cada dia mais ricos e os pobres a cada dia mais pobres/miseráveis não sustenta nenhuma equação. Em tempo: acho provável que a fortuna amealhada pelos cinco cavaleiros seja legal e meritória. São pessoas argutas e capazes. Mas a distribuição da riqueza continua sendo indecente. O Brasil é um parâmetro às avessas, no quesito distribuição de renda.

Atualmente surge um novo “super rico” a cada dois dias, no mundo. Essa casta bilionária é composta por 2.043 membros. Do outro lado do gráfico, mas vivendo no mesmo planeta, a metade mais pobre da população mundial (cerca de 3,7 bilhões de pessoinhas) vive com renda entre US$ 2 e US$ 10 por dia.

Se a questão da sustentabilidade for discutida a sério pelos diferentes agentes da sociedade civil, governos e formadores de opinião, chegarão à conclusão de que é preciso dar um breque no atual modelo e rever conceitos. Não é com o atual status econômico-social que teremos um planeta mais equilibrado. Nem do ponto de vista humanitário, tampouco do capitalista que tem fome de mais e mais mercados a cada dia. E não há mercados sem consumidores, vamos combinar?

A balança está torta. E se faz necessário reequilibrá-la, pois se recordarmos o velho adágio de que o “cachimbo faz a boca torta”, ainda dá tempo de arremeter e fazer um pouco correto.