sábado, 27 de janeiro de 2018

A Balança está torta

ARTIGO publicado na Pluraleemsite

http://www.plurale.com.br/site/noticias-detalhes.php?cod=15961&codSecao=2

Por Nélson Tucci, Colunista de Plurale

Não dá para brigar com os números. A Oxfam – ONG que explicita em sua missão: “Contribuir para a construção de um Brasil justo, sustentável e solidário que elimine as causas da pobreza e da desigualdade” – divulgou dados no último dia 22, publicados por Pluraleemsite, revelando que 82% de toda a riqueza gerada no mundo fo i parar nas mãos do 1% mais rico do planeta. No mesmo documento mostrou que no Brasil apenas cinco pessoas têm patrimônio equivalente ao da metade da população; ou seja, 100 milhões de pessoas precisariam juntar todas as moedinhas, tábuas das palafitas, tomadas de 3 pinos, sandálias de borracha, aparelhos celulares e outros pertences para chegar perto dos cinco bilionários brazucas. Isto por hipótese, naturalmente, mas é algo que dá bem a medida do desequilíbrio.

O mesmo relatório divulgado afirma que o patrimônio somado dos bilionários brasileiros chegou a $ 549 bilhões em 2017, num crescimento de 13% em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, os 50% mais pobres do país viram sua fatia da renda nacional ser reduzida ainda mais, caindo de 2,7% para apenas 2%.

Apenas para fazer junto com o leitor um mero exercício: o que aconteceria com o Brasil se os tais cinco bilionários iluminados que têm patrimônio equivalente à metade da população, combinassem uma partida de golfe longe do solo pátrio e transferissem toda a grana pra lá, enquanto brincassem nos buraquinhos do campo? Parece algo tão impensável que pouquíssima gente deve ter de fato conjecturado isto. Voltemos ao mundo real, pois não.

A proporção de 5 x 100.000.000 é uma relação tão perversa, que não faz sentido, seja no viés puramente humano, seja sob a ótica do mercado concorrencial de um modelo capitalista. Deixar os ricos cada dia mais ricos e os pobres a cada dia mais pobres/miseráveis não sustenta nenhuma equação. Em tempo: acho provável que a fortuna amealhada pelos cinco cavaleiros seja legal e meritória. São pessoas argutas e capazes. Mas a distribuição da riqueza continua sendo indecente. O Brasil é um parâmetro às avessas, no quesito distribuição de renda.

Atualmente surge um novo “super rico” a cada dois dias, no mundo. Essa casta bilionária é composta por 2.043 membros. Do outro lado do gráfico, mas vivendo no mesmo planeta, a metade mais pobre da população mundial (cerca de 3,7 bilhões de pessoinhas) vive com renda entre US$ 2 e US$ 10 por dia.

Se a questão da sustentabilidade for discutida a sério pelos diferentes agentes da sociedade civil, governos e formadores de opinião, chegarão à conclusão de que é preciso dar um breque no atual modelo e rever conceitos. Não é com o atual status econômico-social que teremos um planeta mais equilibrado. Nem do ponto de vista humanitário, tampouco do capitalista que tem fome de mais e mais mercados a cada dia. E não há mercados sem consumidores, vamos combinar?

A balança está torta. E se faz necessário reequilibrá-la, pois se recordarmos o velho adágio de que o “cachimbo faz a boca torta”, ainda dá tempo de arremeter e fazer um pouco correto.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Haja fé !

“O que roubam do Brasil de dia, ele cresce à noite”. Em momentos como este que vivemos, a frase voltar a soar em meus ouvidos. Já vai longe a década de 60 do século XX, mas a lembrança volta. Quem dizia isso era meu pai. Ele não era propriamente um cientista social, tampouco militante político, mas como classe média-média de bom nível cultural, gostava de falar sobre política e economia. Com os adultos, é bom registrar, pois nessa época crianças eram afastadas das conversas “de gente grande”. E eu era apenas uma criança, que ouvia, com curiosidade, tudo o que o pai falava. Mas não ousava lhe questionar ou, menos ainda, lhe dirigir a palavra sem o prévio consentimento. Era uma outra época, de costumes inclusive.

Hoje, refletindo sobre este arquivo instalado em meu hardware, penso que ele era um otimista. À maneira dele, era um otimista. O Brasil, com seu extraordinário potencial de “país do futuro” (era assim que o chamavam), parecia ser uma fonte inesgotável de pujança econômica e de crescimento em vários setores e sentidos. Tal qual a água doce, pura da nascente, a sensação é que o Brasil cresceria infinitamente e de forma independente dos predadores de plantão e amigos do alheio. Nos engamos com a água e com o país. Analisar o que ficou pra trás, hoje com planilha de dados e internet, está fácil contestar o que se falava há 30, 40, 50 anos... Na época do ieieiê e da explosão da Jovem Guarda, o perfil do país era muito diferente. E no pós-golpe o nível de informação (na quantidade e na qualidade) era incomparável com o que temos hoje. Mas o fato é que o país mudou. Só pra ficarmos em único exemplo, com o financiamento dos “isteites” e de dinheiros correlatos, o Brasil passou a crescer forte na década seguinte. Os governos militares se jactavam em dizer que tinham melhorado a vida de todos e até o ministro da grana apelidou a fase de “milagre econômico”, com crescimento acima de 10% a.a. Eram os anos de chumbo, de brutal repressão política e restrição das liberdades (leia-se gente morta, desaparecida e desterrada), mas no contraponto havia dinheiro fácil e crescimento econômico.

Anyway... uma lufada passou pelo país. Com a felicidade de uns e infelicidade de outros.

Depois disso vieram a “democracia relativa”, a “abertura”, as eleições presidenciais indiretas e, por fim, as diretas. Pessoas não eram mais perseguidas, torturadas e desaparecidas com a mesma frequência e o país foi se modernizando e humanizando. Mas a turminha que controlava o “pudê” volta e meia protagonizava escândalos. Era muita maracutaia que se tinha notícia – já nos anos 1980 era deputado ganhando trocentas vezes na loteria, escândalo da mandioca (empréstimos do Banco do Brasil com juros subsidiados a pretexto de se plantar o tal tubérculo, mas não foi o que aconteceu) e tantos outros – que a gente até perde a conta.

O fato é que meu pai e a geração dele subestimou a capacidade roubativa (com licença para o neologismo) da brava gente brasileira que tinha as chaves do cofre. Vieram os anos 90 e... do governo Collor, de infausta memória, nem quero falar. O caso ainda é recente na história e certamente permeia a lembrança de grande parte da população. Na sequência houve privatizações nem sempre bem explicadas e o escândalo do mensalão, já neste século, que, aliás, só ficou “pequeno” comparativamente ao da Lava Jato, que ora vivenciamos.

É estarrecedor o que se ouve pelas esquinas do Brasil. Histórias que precisam ser checadas e outras que nos chegam em tempo real das tais delações premiadas. A sensação é que a sujeira ficou de tal maneira incrustrada que nunca mais vai sair. Ou seja, quanto mais se raspa, se lava, mais camadas são descobertas.

A minha dúvida agora é a seguinte: o que digo para os meus filhos (tenho 2 ainda menores)? Que o Brasil está sendo passado a limpo e que num futuro próximo estaremos todos felizes e satisfeitos ou... que tratem de arrumar as malas dentro em breve para tentar a vida em outro canto da Terra, porque a luta das gerações anteriores a eles foi em vão?

domingo, 26 de fevereiro de 2017

A rosca. Com ou sem fim?

A estética da linguagem não pode ser a mesma daquela “estética televisiva” que tomei conhecimento, pela internet, no dia seguinte ao fato. Uma dançarina, ou atriz, ou modelo ou sei lá como a mulher se autoclassifica, porque desta nunca antes na história deste país eu tinha ouvido falar, “notabilizou-se” na telinha ao exibir o seu esverdeado orifício corrugado. Não do jeito que veio ao mundo, mas do jeito que o mundo a deixou. Na tv aberta.

A cidadã, pintada com as cores da bandeira nacional, eu suponho, ou homenageando o último campeão brasileiro de futebol (também poderia ser...), tinha as costas – dos pelinhos dos ombros à última covinha do derrière – decorada em verde escuro.

A dupla de apresentadores Nelson Rubens e Flávia Noronha estava apoiada por uma travesti cumprindo o papel de repórter cover e os três pediram à moça – que só tinha camada de tinta sobre o corpo – para dar uma abaixadinha, na frente da câmera. Ela não se fez de enrugada, digo, rogada, e desceu tudo. Na sequência, pediram a esta burlesca figura que fizesse o mesmo movimento , da abaixadinha, mas de costas.

Lembrando o que poderia ser o desfiladeiro do Arizona (nos EUA), o conhecido Grand Canyon, em uma escala de ... bem, em uma escala reduzida, a entrevistada lançou a profundeza de sua alma para o respeitável público conhecer.

Este escriba nunca teve vocação para ser crítico de cinema, de teatro e tampouco de tv. Mas como espectador vou me permitir entrar no assunto – entrarei exclusivamente neste, prometo – e opinar: nunca, desde os longínquos anos 60 do século passado, quando a tv ainda transmitia em preto e branco, eu lembro de ter visto algo tão grotesco. Escancarar o orifício, hoje já semi corrugado, para a câmera, em “rede nacional”, não é algo de se esperar. Não pelo menos para este velho homem de imprensa que se acostumou a ver na tv os desenhos da Turma do Manda Chuva, do Pica-Pau, Gasparzinho e seriados tipo Bonanza e Família Trapo.

Gosto de coisas mais ousadas também, como o jogo do Bayern metendo 8 x 0 no Hamburgo, ou os carinhas do esporte abrindo a 1ª rodada do Campeonato Brasileiro e colocando – ano após ano – o Cruzeiro e o Internacional como favoritos.

Ousadia também admirável é aquela do dr. House zuar com a cara de todo mundo – trocar o comprimido de tylenol por um de purgante – e ninguém lhe dar uma sonora porrada nas fuças. Outra admirável ousadia é alguém da redação do canal de notícias líder de audiência da tv paga colocar o lettering assim: “Deputado Eunício de Oliveira, presidente do Senado”... E repetir, no mesmo jornal, outras 3 ou 4 vezes. Isso é ousadia.

Mas o Grand Canyon, ainda que em escala reduzida, não. Isso não é ousadia. Já assisti a vários filmes de sacanagem – sem ter nada a ver com a previdência social, é bom deixar claro – em que moçoilos e moçoilas faziam trapézio, davam três mortais sem tirar, cangurus pernetas e outras acrobacias. E o conjunto da obra era, digamos, mais lúdico. Nem sempre tão mais encarquilhados ou preguilhados, porém de uma forma mais adequada, pois o roteiro te conduz ao caminho.

Acusada de maus tratos às retinas alheias, a distinta senhora de verde poderia descobrir logo a sua vocação. Se for algo mais sorumbático que assim seja, ou se resolver entrar no espírito congressual que o senador Romeiro Jucá definiu dias atrás como “suruba é suruba” e quem nesta entra deve estar preparado para tudo, que assim seja também. Afinal... fiofó é igual opinião: todo mundo tem e faz deste o que melhor lhe aprouver. Mas, por gentileza, se nos fizer algum favor, não precisa jogar na cara ok?

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

ARTIGO - São Sebastião e as 7 flechadas

Artigo publicado em Plurale: http://www.plurale.com.br/site/noticias-detalhes.php?cod=15343&codSecao=5

Por Nélson Tucci, Colunista de Plurale

“São Sebastião crivado / Nublai minha visão / Na noite da grande / Fogueira desvairada” – Estação Derradeira, de Chico Buarque.

Janeiro começa assim: Massacre em presídio de Manaus deixa 56 mortos. O mundo, estarrecido, assiste a um degradante espetáculo promovido por detentos do Complexo Anísio Jobim, no Amazonas. Flecha 1.

Na semana seguinte, outros 26 presos são mortos – com decapitação, inclusive – na penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte. Nesta última semana, de 16 a 21 de janeiro, assistimos à barbárie explícita, com os presos dando o tom da “orquestra”. Enquanto as TVs filmavam o que podiam do presídio (literalmente) fincado nas areias potiguares e as autoridades competentes decidindo se entravam ou não nos domínios do crime organizado, outros tantos foram executados. Até o fechamento deste artigo não se sabiam quantos (o chute variava entre 2 e 10) mais tinham morrido; e a rebelião continuava. Flecha 2.

Especialistas de tudo quanto é lugar aparecem nessas horas. Um deles, na TV Gazeta, chegou a afiançar que existem hoje no país mais de duas dezenas de facções tocando o terror por aí. A jornalista Maria Lydia, que o entrevistava, estimou em 27. Digamos que a margem de erro possa ser considerada com 3 pontos percentuais para cima ou para baixo... Neste mesmo Brasil existem hoje 35 partidos políticos registrados. Ou seja, numericamente a coisa está muito próxima. Flecha 3.

Os números não são exatos pra quase nada nessa área, por isso a ministra Cármen Lúcia – que preside o Supremo Tribunal Federal – tem projeto para realização do censo carcerário no país. O custo (estimado em R$ 18 milhões) pode ser um impeditivo, mas a ideia está posta. “Um preso no Brasil custa R$ 2,4 mil por MÊS (grifo nosso) e um estudante do ensino médio custa R$ 2,2 mil por ANO. Alguma coisa está errada na nossa Pátria amada”, disse ela, em novembro último.

Calcula-se (com base no censo anterior), que existam mais de 640 mil presos no país (3,7% dos quais mulheres), dos quais 67% seriam negros/pardos e, do total geral, 53% com o curso fundamental incompleto. Atrás de Estados Unidos (2,2 milhões), China (1,6 milhão) e Rússia (680 mil), o Brasil é o quarto país no mundo com mais presos. Flecha 4.

Em 1993 eu entrevistei para a extinta Revista Visão (grupo Maksoud e depois DCI) Walter Fanganiello Maierovitch. À época juiz de Direito e bem depois desembargador do TJ de São Paulo e secretário nacional antidrogas da Presidência da República. Simpático ao falar, conhecia bem a situação criminal na Itália, através de estudos e intercâmbios. Maierovitch bateu muito na questão do “estado paralelo” e lançou vários alertas. Nesse período ouvia-se falar, muito raramente, em uma ou duas facções e assim mesmo praticamente restritas ao estado do Rio. Ele estudava e fazia analogias com o modus operandi da histórica máfia italiana já naquela época. E se mostrava incomodado com a falta de firmeza das autoridades brasileiras para se matar a coisa ruim no nascedouro. De lá para cá se passaram 24 anos e muita gente achava que a pior coisa que acontecia era o Sebastião Lazaroni dirigir a seleção canarinho. Flecha 5.

O sistema prisional tupiniquim está botando gente pelo ladrão. Faltam vagas e sobram candidatos. Há quem veja na construção de novos cárceres a resolução dos problemas. Flecha 6.

Morreu o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, mas o processo deverá continuar, com delações, apurações e, talvez, novas prisões. O país aguarda, ansioso, por novas revelações e espera enxergar o fim dessa “operação limpeza” em algum momento. Já o investidor internacional fica acabrunhado em investidor seu dinheiro na turbulência. Como o país não tem poupança interna, depende da grana dos gringos, que por sua vez dependem do andar da carruagem nestas verdejantes – e não raras pantanosas – paisagens. Enquanto não sabem quem está no controle, lá vem mais uma flecha. A de número 7.

E à turminha aqui do andar de baixo resta rezar para São Sebastião – aquele mesmo, patrono do Rio de Janeiro e que inspirou o nome de Lazaroni que, por sua vez, antecedeu o Felipão dos 7x1.

“Glorioso mártir São Sebastião, protegei-nos contra a peste (da febre amarela, da dengue e da chikungunya), a fome (de emprego de quase 13 milhões de trabalhadores) e a guerra (das facções, dentro e fora dos Presídios e Prostíbulos); defendei as nossas plantações e os nossos rebanhos, que são dons de Deus para o nosso bem e para o bem de todos. E defendei-nos do pecado (da corrupção), que é o maior de todos os males”.

No sincretismo, vamos de Okê! Okê Arô! Oxóssi. Salve o Grande Caçador !

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Carta Aberta a Arthur Zanetti

http://www.plurale.com.br/site/noticias-detalhes.php?cod=15053&codSecao=2

Caro Arthur Zanetti,

No presente, nossos olhos e ouvidos têm sido torturados por uma série quase interminável de escândalos. É roubo atrás de roubo. Nem talheres os cleptomaníacos têm perdoado. Tampouco a merenda das crianças. Uns roubam na cara dura e saem dando risada, outros procuram ficar “na migué” enterrando as doletas nos paraísos.

O futebol, que por muitos e muitos anos encantou e alegrou gerações, já não é o mesmo faz algum tempo. Até isso conseguiram estragar. Vemos de denúncias de escândalos na base de times grandes, de vendas de jogadores inadequadamente contabilizadas a roubo de medalhinha de juniores. Sem contar com a pífia atuação, diametralmente oposta aos egos cada vez maiores de uns moleques tolos que ficam ricos do dia pra noite. O desrespeito tem sido quase uma constante com os brasileiros normais, aqueles que trabalham e buscam ter uma vida decente.

Mas, em meio a tanta falcatrua e desencanto... a gente peneirando sabe que encontra boas pedras em solo pátrio. Afinal, o Brasil é grande demais para um bando de lacaios ser considerado seu representante. O Brasil tem gente decente. E muita ! O nosso Brasil tem gente como você, Arthur, pessoa humilde, séria e que trabalha permanentemente para se aprimorar e defender dignamente o pão de cada dia. Uma vez mais o atleta nos mostra altíssima performance profissional que a todos enche de satisfação. Medalha de Ouro em Londres, não perdeu o pique; nem a simplicidade.

Ainda me lembro de quando o entrevistei, há quatro anos, e você me contava como dividia o quarto com seu irmão, da simplicidade da família etc. Falei com o Marcos Goto também, seu técnico, em São Caetano do Sul (nesta Olimpíada, Goto foi técnico de Zanetti e de Diego Hypólito, medalhista na ginástica). Nesta mesma época conheci um outro campeão, pessoa absolutamente admirável: Servílio de Oliveira. Pela oportunidade da Rio 2016, decidimos, a editora de Plurale – Sônia Araripe – e eu, republicar a matéria porque estava razoavelmente bem escrita e refletia o OURO PURO que tínhamos em mãos. Não o ouro em medalha, ou em barra, mas em matéria-prima jornalística. (Leia em Plurale )

Você, Zanetti, nos faz maiores a cada aparição. És o exemplo para as gerações atuais e futuras, de que a honestidade de princípios vale a pena. Com seu gesto firme e contagiante alegria, com suas palavras simples e diretas, volta a nos encantar. Você é um gigante! Ganhar mais uma medalha para a sua carreira é importante, mas para nós, leitores e meros acompanhantes do esporte, a cor da medalha, ou a existência desta, não faz diferença.

Saber que existe no nosso time um atleta de altíssimo nível e um homem íntegro como você já é o suficiente. Zanetti, você lavou a alma de uma legião de brasileiros. Assistir ao ginásio todo te aplaudir, e ver gente chorando, para mim valeu muito. Obrigadíssimo, meu brother. Sou grato por tê-lo entrevistado e por ser o seu compatriota. E quando quiser continuar aquele papo de irmos juntos a Floripa, ainda está de pé.

Receba o meu abraço e admiração,

Nelson Tucci, brasileiro e jornalista.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

A sustentabilidade mora em nós

Veja ARTIGO publicado hoje (25/07) no site de Plurale: "A sustentabilidade mora em nós"

http://www.plurale.com.br/site/noticias-detalhes.php?cod=15007&codSecao=2

domingo, 10 de abril de 2016

O bêbado e a equilibrista

BRASIL, 10 de Abril de 2016.

Era uma vez...

Bem, deixa prá lá. O título é autoexplicativo.